Credor ou devedor. O que é e de que lado é melhor estar?

Adeus Dívidas

Credor ou devedor. O que é e de que lado é melhor estar?

 

Adeus DívidasOla meu caro leitor.

Nesse artigo eu quero lhes apresentar duas figurinhas bastante comentadas no mundo das finanças, o credor e o devedor. Vamos aprender melhor o que são, história sobre eles e de que lado é melhor estar. O credor é aquele que crê. Crê, ou acredita, no pagamento da divida contraída pelo devedor.

O devedor é quem pega emprestado um bem ou valor do credor, assumindo uma obrigação em devolvê-los.

Em resumo, credor é quem empresta e devedor quem pega emprestado.

Essa relação é antiga. Se for curioso, como eu sou, segue abaixo uma história que achei no site do wikipedia, disponível neste link. Se não tiver interesse é só pular os três próximos parágrafos.

“O empréstimo é uma atividade tão primária quanto as permutas de mercadorias. Os sumérios, por exemplo, faziam a irrigação e a silagem de grãos coletivamente, fato que os obrigaram a desenvolver formas de organização do uso dos aparelhos, motivando o desenvolvimento da contagem e da escrita cuneiforme.2 Na Grécia Antiga, o empréstimo também tinha um papel importante, pois os pequenos camponeses, chamados de hectemoros, recorriam aos grandes proprietários para obter empréstimo de sementes e alimentos. O pagamento era feito com uma parte do que havia sido produzido e, caso não fosse feito, suas terras poderiam ser confiscadas e ele ser vendido como escravo.

Com o desenvolvimento do conceito de dinheiro e moeda na Idade Média e a concentração de grandes de metais preciosos na Europa, os bancos entenderam que concentrar-se apenas no seu fluxo de caixa não era o mais rentável, e, ao garantir crédito, eles poderiam cobrar pelo tempo que os emprestadores tomassem um determinado valor. Inicialmente, o empréstimo era feito apenas para comerciantes, industriais e financiamento de guerras. Para o cidadão comum, só era possível obter dinheiro extra com penhora de bens. Após um longo período, percebeu-se que a linha de micro-crédito era muito rentável, e logo os bancos também passaram a controlar essas operações.

Posteriormente, com a tentativa de organização dos sistemas bancários e a criação dos bancos centrais para criação das políticas monetárias dos países, houve um desenvolvimento dos contratos de empréstimo, garantindo maior equidade para aqueles contratavam o produto, 3 embora os bancos não necessitassem de nenhum lastro monetário para prometerem empréstimos.

Mas afinal, é melhor ser credor ou devedor?

De cara vai dizer que é melhor ser credor, por que afinal o credor têm dinheiro. Mas eu diria pra você, depende.

Imagine que você não é mais devedor. Você tem dinheiro sobrando e algumas pessoas sabem disso. Mesmo que você seja super discreto e não fique esbanjando, outros vão perceber a sua situação. Imaginando ainda, aquele seu cunhado super legal lhe pede dinheiro e diz que “vai lhe pagar o mais rápido possível”. Usar a figura do cunhado é só uma brincadeira e é lógico que ele pode ser um ótimo pagador. Mas pensa se, depois de passado alguns meses ele não tiver lhe pago nenhum centavo. Eu ficaria imensamente incomodado de cobrá-lo. Embora não haja nada de errado nisso.

Para ser credor temos que ter critério. Não têm problema emprestar pro cunhado, pra um outro familiar ou amigo. Mas você deve fazer algumas perguntas como; qual o valor que ele precisa? Como ele pretende pagá-lo (quanto e em quantas vezes)? E cobre sim os juros. Seja justo neste último por que se ele foi até você é por que quer pagar menos do que pagaria a um banco. Ou está tão endividado que não pode pagar muito. São muitas possibilidades.

Tomando o caso acima como referência mas agora olhando o lado devedor, se vai pegar dinheiro emprestado de um familiar, faça a si mesmo as mesmas perguntas antes de ir pedir o dinheiro. De quanto está precisando? Como e em quanto tempo pode pagar o seu credor? Pense em uma forma de pagar por esse dinheiro que está pegando emprestado, antes mesmo de ir falar com seu futuro credor. Assim, quando forem conversar, o assunto ficará mais leve.

Ser devedor também pode não ser bom. No meu caso, tenho medo de estar devedor por que não tenho nenhuma reservar de emergência e, como usei meus limites de devedor pra pagar pelo consumo, não tenho muita opção caso precise de dinheiro para pagar por uma urgência médica ou outra coisa realmente importante.

Na minha opinião o melhor é ser credor de bancos populares. Você aplica o dinheiro no banco e tem muita margem pra sequer pensar em ser devedor. Mas que, caso seja absolutamente necessário, tem margem pra pegar emprestado. O mundo ideal seria esse.

Se fizermos tudo certinho, condicionar nosso consumo, domar nossos impulsos, chegaremos logo a posição de credor. Por hora temos que aceitar nossa situação de devedor, mas nunca estar acomodado nela.

Muito obrigado pela leitura.

Abraço e sucesso financeiro

Adriano

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *