A tentação do consumo

Como sair das dívidas

A tentação do consumo

 

Adeus DívidasOla meus caros leitores.

Aconteceu comigo. A tentação do consumo.

A era da internet é uma coisa complicada mesmo. Você não precisa mais ir até qualquer lugar pra ser tentado. A tentação chega na tua caixa de entrada de email. Quando você percebe já está fazendo outro cartão de crédito pelo qual não poderá pagar. Ou o qual fará você perder o controle financeiro.

Meu antigo smartphone quebrou. Alias, desde o começo do ano ele quebrava e eu arrumava. Não sou técnico de celulares. Mas sou muito curioso e adoro desmontar coisa pra saber como são. Troquei tela de toque (3x), LCD (2x), carcaça, etc. Um sem fim de peças. A partir daí vêm um primeiro raciocínio… com tanto dinheiro gasto em peças e ferramentas, não teria sido melhor comprar um novo? Enfim, cansei de arrumar.

Esse artigo é um relato de uma experiência pessoal. Quero mostrar como nossa “inteligência” prega peças na gente. Faz a gente tomar decisões falhas que depois questionamos. Nos sentimos idiotas. Mas tenho certeza de que muitos leitores irão se identificar.

Voltando ao assunto, ele quebrou. Imediatamente minha cabeça foi invadida por um sem fim de soluções. Deu-se inicio a uma batalha de mim contra mim mesmo. Comprar um novo? Parece legal. Mas como? Com que dinheiro? Bom, tem aquele cartão que acabei de renegociar e que tem um limite disponível agora. Ok, mas vou comprar um aparelho baratinho.

Muito maluco né! Observando agora, fora da caixa, parece aquela história do diabinho e do anjinho no ombro que acostumamos a ver em desenhos.

Fui então até uma loja escolher um modelo… olha, não me lembro muito da minha infância, mas olhar aquelas vitrines de vidro cheias de opções me fez sentir uma criança em loja de brinquedos. Aquele baratinho??? Esquece. Poderia lhe dar aqui 1 milhão de justificativas pra escolher o modelo A ou B ou C, mas são desculpas. São fugas da razão. A verdade é que qualquer modelo poderia me atender perfeitamente. Mas o olho brilhou com aquele que tem tela grande e faz selfie com câmera de 5 Megapixel. Pra que mesmo? Pra tirar fotos em um resolução gigante que talvez nunca venhamos a ver novamente?

Adoramos nos enganar. Minha experiência foi com smartphone. Mas pode colocar qualquer outro item e temos uma história bem parecida.

Torci por um momento pra que o cartão não autoriza-se a transação. Mas passou. Se depender do sistema financeiro, temos doses homeopáticas de crédito pra que primeiro, continuemos consumindo e segundo, não fiquemos inadimplente. É tudo friamente calculado.

Sai da loja com meu modelo intermediário. Gastei R$ 699,00 ou melhor, gastarei intermináveis 10 x R$ 69,90. Imediatamente minha euforia foi sendo substituída por um sentimento de culpa. Comecei a me arrepender, querer voltar na loja e desfazer toda a negociação. Não dá! Se fosse possível acho que o sistema financeiro ia quebrar.

Comprar nesses momentos de euforia nunca é uma boa ideia. Pra começar eu achei o mesmo aparelho por R$ 100,00 na internet, no mesmo site da loja onde comprei. Paguei esse valor pela urgência. Pesquisei um pouco mais e achei o mesmo aparelho em outra loja por R$ 520,00. Tudo em canal de compra bom, lojas de nome. Resumindo, pesquise meus caros leitores.

Mas qual era a urgência mesmo? A sim, meu telefone tinha quebrado. Mas será que ninguém tinha um aparelho pra emprestar ou até dar? Você mesmo, não têm aquele celular velho que atende ligação e manda SMS? Acho que a maioria diria sim. Mas se alguém responder não, responda então; pra alguém que está devedor, o que é mais coerente, comprar um aparelho de R$ 290,00 que vai lhe atender ou um outro que custa o dobro?

Em momento algum lembrei de minhas metas:

  1. Fechar o mês com saldo positivo.
  2. Quitar cartão de crédito.
  3. Quitar empréstimos bancários.
  4. Constituir um poupança de segurança para emergências.

Falhamos sim. Sempre! Eu falhei. A graça de ser humano é reconhecer isso e não falhar novamente. E se falhar, fazer tudo de novo, ou seja, reconhecer o erro e não errar. O importante é não desistir e afundar de vez.

Estou em uma situação de canoa furada. A água entra mas eu consigo tirá-la antes que o nível da água aumente. Nesse dia do celular, um buraco tampado a alguns meses abriu novamente. Sem problemas, vou ter que tirar mais água enquanto luto pra tapar esse buraco. Vai levar 10 meses, mas ele vai estancar.

O importante é que não quero desistir. Não posso desistir. Tem mais gente que depende de mim, do meu sucesso financeiro. Mesmo que você seja sozinho, a paz de estar com as contas em dia não têm preço.

Vamos então reconhecer nossos erros e mudar o rumo? Eu, particularmente, vejo essa atitude com um bem pro nosso país, assumir a responsabilidade pela nossa vida e nossos erros.

Obrigado meus caros leitores.

Adriano

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *